números

levamos várias chibatadas, mas não vemos
as marcas vermelhas; sentimos algo su-
bir do intestino para o peito, mas não
vemos nada, está tudo bem encoberto.

nós estamos eternamente entregues ao
acidente; no dia seguinte tudo volta ao a-
normal, tudo se medirá novamente com
a corda curta, nada fará des-aperceber…

chegou a primavera, com toda sua cor
e a chuva quando eu estava no ônibus;
que bom tudo, que bom saber que a
chuva continua, todo dia, como um banho

de lágrimas, banho diário, vamos todos
suar a partir de agora, vamos bendizer
qualquer chuva que nos ampare, embora

antes, de ontem, toda chuva era invernosa,
não era assim: brilhante, com pingos quentes,
respingos de glórias que foram apenas sonhadas;
quantos sentirão a pele na próxima chuva?

04.08.2007-22.09.2007

Anúncios

Sobre hilam

Ainda em processo de construção humana, mesmo com mais de 40 anos de idade...

Publicado em 17/05/2008, em Poesia. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: