Lamento…

vodka

Já estive numa cozinha, como numa prisão:

só uns dedos de vodka, um maço de cigarros,

um som tocando Doors, um cachimbo fumegando…

Eu não posso sair daqui agora e dormir!

Não há possibilidade plausível, não agora.

Talvez daqui a pouco, quando o poema

Cansar de me dizer coisas ao ouvido.

Depois que estiver como completo bêbado.

Ela fala baixinho que eu não devia escrever

estas coisas disformes, com ventres bambo-

leantes, ledas que se entregam com

profunda reverência ao sacrifício da noite:

não canso nunca de dizer: sou teu vice-

verso, minha loucura é o reflexo da tua…

Anúncios

Sobre hilam

Ainda em processo de construção humana, mesmo com mais de 40 anos de idade...

Publicado em 08/10/2006, em Poesia. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: